The Effects of the Green Kryptonite


«Oriundo do extinto planeta Krypton, o Super-homem, aterra no nosso planeta ainda criança, é adoptado pela família Kent a qual rapidamente se apercebe da sua força descomunal.
O Super-Homem que pode mudar o curso do rio mais caudaloso, dobrar o aço com as mãos ou impedir um avião de se despenhar (...)», pode sofrer, apesar de tudo, consequências letais que colocam a sua existência em risco.
Durante as histórias imaginadas deste herói, apercebemo-nos da existência de uma forte interação com um mineral, a kryptonite  (rocha ou metal) que se forma durante a deflagração de Krypton. A kryptonite verde, de longe a mais comum, liberta fortes radiações que podem enfraquecer e diminuir as habilidades de qualquer descendente kryptoniano, incluindo o super-homem.
«Ao invés de glorificar domínios, exponho as vulnerabilidades dos bonecos animados/ícones da BD, habitualmente retratados como personagens invencíveis, que nunca adoecem, ou morrem, que se transformam, no universo das minhas obras, em personagens frágeis e mortais - metáforas de uma decadência anunciada»1.
A exposição, The Effects of the Green kryptonite, junta o Mundo das Ciências às Artes, apontando para a elaboração de uma exposição que aglutina o mundo não-real dos super-heróis e o mundo real da Geologia e dos seus minerais.
The effects of the green kryptonite fala assim das fragilidades do SH ou de outras figuras do universo da BD, agora simbolizadas através do verde da kryptonite. É com este jogo de confrontações entre o real, não-irreal, que a presente exposição integra um grupo objetos/pinturas e desenhos, que apesar de serem imaginados, são reais.

Pedro Almeida, Lisboa, 2014


1 Segundo texto de Luís de Almeida D’Eça 



———————
Voltar